Guia de São Paulo - região metropolitana

Fechar

Nome

Modalidade

Localidade

Proximidade

Insira um CEP. Exemplo: 01310-000

Data

Intervalo de datas

Exemplo: 01/01/2013

Evento para

Gratuito

 

Evento para


Acontece na cidade

Rio-2016 17/08/2016

A contraditória angústia de ver de perto Rio-16 e se sentir desatualizado

Por Andrei Spinassé, editor do Esportividade
Compartilhar
Vôlei de praia na arena de Copacabana (Esportividade)

Vôlei de praia na arena de Copacabana (Esportividade)

Ser um espectador dos Jogos Olímpicos Rio-2016 é uma das melhores experiências que um fã de esporte pode viver, mas, ao mesmo tempo e contraditoriamente, o torcedor sente-se mais por fora do evento que se estivesse diante da televisão em casa. A expressão em inglês “fear of missing out” traduz essa angústia da contemporaneidade. É o constante sentimento de você está perdendo algo, o que o leva a checar constantemente e-mails e redes sociais. Nos Jogos Olímpicos, o espectador tem justamente a sensação de, mesmo estando in loco em um evento do Rio-2016, estar por fora dos outros acontecimentos.

Em 14 e 15 de agosto de 2016, estive em seis sessões olímpicas no Rio de Janeiro: rodada dupla feminina de handebol na Arena do Futuro (no Parque Olímpico), duas partidas femininas de basquete na Arena da Juventude (em Deodoro), rodada dupla feminina de vôlei no Maracanãzinho, atletismo no Engenhão, jogo masculino Nigéria x Brasil de basquete na Arena Carioca 1 (Pq. Olímpico) e quartas de final masculinas do vôlei de praia (Copacabana). Apesar de ter assistido a tudo isso, senti-me mais desatualizado sobre os Jogos Olímpicos que se eu estivesse em frente à televisão.

Brasil bateu a Nigéria, mas foi eliminado mesmo assim (Esportividade)

Brasil bateu a Nigéria, mas foi eliminado mesmo assim (Esportividade)

Consegui minimizar essa sensação quando assisti à final dos 100 metros rasos – vencida por Usain Bolt – por meio de um aplicativo quando estava no Maracanãzinho e quando vi o desempenho da ginasta Flávia Saraiva na trave de equilíbrio da mesma forma, mas no BRT (o sistema de transporte funciona bem, diga-se de passagem), saindo do Parque Olímpico na segunda-feira.

Soube da conquista da medalha de ouro por Thiago Braz no salto com vara quando estava nas arquibancadas da arena de Copacabana vendo o vôlei de praia. Porém, não assisti à prova dele ao vivo. Se pudesse, estaria em dois lugares em mesmo tempo: em Copa e no Engenhão.

Brasil x Rússia feminino de vôlei no Maracanãzinho (Esportividade)

Brasil 3×0 Rússia feminino de vôlei no Maracanãzinho (Esportividade)

Colabora para essa angústia o fato de não haver uma integração entre as sessões dos Jogos Olímpicos-16. Quando se está no ginásio de vôlei, por exemplo, não se tem a impressão de se tratar de um evento poliesportivo, porque os locutores e o telão não mencionam as demais modalidades. A final dos 100 metros aconteceu durante o aquecimento das jogadoras de Brasil e Rússia no Maracanãzinho. Mas era perfeitamente possível um dos momentos mais aguardados dos Jogos ter sido transmitido no telão do ginásio. Ou ao menos o locutor ter anunciado o resultado da prova…

Brasil x Montenegro de handebol na Arena do Futuro (Esportividade)

Brasil x Montenegro de handebol na Arena do Futuro: foi difícil ver o placar… (Esportividade)

Quem fica o dia inteiro indo de um evento a outro depende do celular para saber dos resultados e das notícias olímpicas. A falta de integração entre as sessões faz aumentar a sensação de desatualização, a qual não existia na Copa do Mundo de futebol, por exemplo, já que no máximo havia duas partidas acontecendo simultaneamente.

Apesar do “fear of missing out”, a experiência olímpica realmente é singular. Uma das cenas mais marcantes que vivi nesses dias ocorreu na linha 1 do metrô carioca: quando os espectadores da grande final dos 100 m entraram no vagão onde eu estava (eu havia saído do Maracanãzinho; eles, lá do Engenhão), não se entendia nada das conversas. Eram tantas as línguas faladas e tantos os assuntos que o som produzido era incompreensível.

Final feminina dos 3.000 metros com obstáculos (Esportividade)

Final feminina dos 3.000 metros com obstáculos (Esportividade)

A energia positiva era a mesma, porém: de tão eufóricas que aquelas pessoas (algumas delas jamaicanas) estavam, algumas nem sequer faziam a questão de se sentar. Naquele momento, o “fear of missing out” passou a ser apenas um detalhe, já que eu estava atualizado e revigorado com o espírito olímpico.

Compartilhar

Comentários

  • Renata disse:

    lindo texto. simples e direto. parabéns!!!!

  • Marcelo Lacerda disse:

    Ótima matéria Andrei, ótimas observações, na questão dos locutores ou os telões anunciarem alguns outros resultados, seria muito bom mesmo, pra que todos fiquem antenados nas outras provas que ocorrem ao mesmo tempo!

    Parabéns Esportividde!

    Show.

  • Bruno Merlin disse:

    Passei oito dias no Rio e tive essa mesma angústia. Em algumas oportunidades foi feito um conglomerado em volta do meu aparelho celular conectado ao GlobosatPlay. Quanto aos telões das arenas, me parece ser proposital. Mas, claro, Adoraria que fossem exibidas informações e imagens de outras competições no intervalo.

    • Esportividade disse:

      Oi, Bruno! O aplicativo do Sportv foi bastante útil nessas horas, não foi? Ainda bem que hoje em dia temos essa facilidade. Obrigado!

  • benedito balduino de miranda filho disse:

    gostaria dencreve meu filho no velem ou basquet,oque preciso faze-lo??

  • Deixe seu comentário

    Current day month ye@r *