São Paulo - região metropolitana
BUSCA
DE EVENTOS
BUSCA DE EVENTOS

China poderia ter proporcionado a São Paulo grande legado dos Jogos Rio-16

Por Andrei Spinassé, editor do Esportividade
Pista de atletismo do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (Esportividade)

Pista de atletismo do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (Esportividade)

Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro-2016 poderiam ter deixado um grande legado para a população da cidade de São Paulo, mas não foram para frente negociações entre a Secretaria de Esportes, Lazer e Recreação (Seme) e os chineses para a delegação desse país asiático treinar no Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, na avenida Ibirapuera (no número 1315), antes de os atletas irem para o Rio de Janeiro. Quem mais se beneficiou com isso foi o Esporte Clube Pinheiros, que recebeu US$ 3,5 milhões dos chineses para a utilização de suas instalações de 22 de julho a 15 de agosto, envolvendo 15 modalidades.

Quem participou da fase final da negociação da ida da China ao Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa foi Luis Eduardo Dutra Rodrigues, ex-presidente pinheirense e, desde junho de 2015, titular da Coordenadoria de Gestão do Esporte de Alto Rendimento da secretaria.

“Eu era presidente do Pinheiros quando o comitê olímpico chinês nos procurou e fez um contrato de intenção em razão da necessidade de aclimatação”, disse Dutra ao Esportividade. “O contrato tinha o período de aproximadamente um ano; eles teriam de optar ou não pelo Pinheiros desde que pagassem os valores que interessassem ao clube. Quando eu saí do EC Pinheiros e fui para o Centro Olímpico, tive uma surpresa: o comitê olímpico chinês também estava com tratativas com o COTP para a mesma finalidade. Por opção deles, fecharam com o Pinheiros.”

Dutra explicou que o Centro Olímpico, um órgão subordinado à secretaria municipal esportiva, poderia ter sido modernizado se a delegação chinesa tivesse o escolhido. “Como coordenador do COTP, eu tinha muito interesse que a delegação chinesa fizesse a aclimatação lá. Nós teríamos valores importantes de receita e haveria uma melhora na estrutura do COTP.”

No entanto, houve alguns entraves, como a exigência de compra de equipamentos de ginástica artística de uma marca que a China queria. “O poder público tem algumas dificuldades processuais, e todos os valores que seriam encaminhados para lá dependiam de uma aprovação processual (em um período mais longo). Uma das coisas que impactaram foi o fato de que tínhamos de comprar equipamentos específicos, e o município não pode os adquirir sem licitar. A secretaria não poderia direcionar para determinada marca. Mas ficou muito bem colocado o comitê no Pinheiros”, afirmou.

Atualmente, o Centro Olímpico oferece atletismo, basquete, boxe, futebol, ginástica artística, handebol, judô, luta olímpica, natação e vôlei para crianças e adolescentes. O tênis de mesa vai estrear em breve graças a um convênio com a confederação brasileira para a cessão de mesas.

Segundo Dutra, o time feminino de futebol do Centro Olímpico, que disputa campeonatos de base e adultos, deverá passar a contar com uma parceria com uma grande equipe masculina, assim como faz o Corinthians com o Grêmio Osasco Audax, mas as negociações ainda estão em andamento.

Deixe seu comentário