São Paulo - região metropolitana
BUSCA
DE EVENTOS
BUSCA DE EVENTOS
Corrida de rua 07/03/2018

Região do Ibirapuera perde corridas no 1º semestre; ‘custo CET’ tem influência

Por Andrei Spinassé, editor do Esportividade

Caminhada Donas da Rua (Esportividade)

As imediações do parque do Ibirapuera são um dos pontos mais tradicionais de corridas de rua da cidade de São Paulo, mas neste primeiro semestre de 2018 os atletas participarão de menos provas lá.

Levantamento feito pelo Esportividade constatou apenas quatro eventos com base na Assembleia Legislativa ou em frente ao obelisco de 1º de janeiro a 30 de junho. Em 2015, 2016 e 2017, houve sete corridas lá no primeiro semestre de cada ano.

Um dos motivos pelos quais ocorreu essa redução é o custo que um evento lá representa ao organizador. Não que tenha havido um aumento: até aconteceu uma diminuição de preços em 2017. Os gastos obrigatórios com a Companhia de Engenharia de Tráfego, porém, ainda são altos.

Região do Ibirapuera e largada da Maratona Internacional de São Paulo de 2017 (Cine Del Valle)

Segundo tabela da Prefeitura de São Paulo, um organizador que queria fazer uma prova lá terá de desembolsar R$ 14.254,70 (até 5 km) ou R$ 20.292,65 (de 5 km a 10 km) só para pagar a CET.

Quando eles têm menos recursos disponíveis, acabam optando, então, por outros lugares, como a região do estádio do Pacaembu. Para provas de até 10 km com uso do Minhocão, a companhia cobra R$ 11.624,10 para montar uma operação de trânsito, ou seja, 74,5% mais barato.

Mas, no segundo semestre, o calendário das imediações do parque do Ibirapuera deverá estar um pouco mais “aquecido” graças à Corporate Run, ao Track&Field Run Series e à Maratona Pão de Açúcar de Revezamento, por exemplo.

Clique aqui para saber quais corridas aconteceram ou vão ser realizadas na zona sul paulistana neste primeiro semestre de 2018.

Comentários


  • Luiz Fernando Pacheco disse:

    Boa tarde Esportividade, parabéns por mais uma matéria relevante do mundo das corridas. Infelizmente temos perdido diversos locais de treinos e corridas, seja por motivos naturais (diversos parques) ou por motivos econômicos (valores envolvidos no fechamento das ruas, ou mesmo na quebra das empresas organizadoras ou o cancelamento de provas tradicionais!). Fiquemos na torcida para que 2018 melhore mais em termos de corrida de rua. Grande abraço e bora correr!

  • Deixe seu comentário