São Paulo - região metropolitana
BUSCA
DE EVENTOS
BUSCA DE EVENTOS
De bem com a vida 18/08/2014

Osteoartrose do joelho: conheça a doença, não somente ligada a idosos

Por Dr. Gustavo Arliani

1462648711_8f3f2ae199_z

A osteoartrose é uma condição caracterizada pela degeneração progressiva das diversas estruturas presentes na articulação envolvida, incluindo cartilagem, superfície óssea, ligamentos, meniscos, sinóvia e cápsula articular.

A perda progressiva da cartilagem articular está associada com a formação de osteófitos (“bicos de papagaio”), que consistem em proliferações ósseas nas margens articulares, responsáveis pela maior estabilidade e restrição dos movimentos articulares com a evolução do quadro.

Clinicamente a osteoartrose do joelho é caracterizada pela presença de dor na articulação associada a outros achados, como rigidez, inchaço e crepitação.

Essa afecção é considerada um problema de saúde pública. Isso porque é a doença articular mais prevalente no mundo e a causa isolada mais comum de incapacidade em indivíduos com idade superior a 18 anos. Acomete mais que o dobro de pessoas que as doenças cardíacas e apresenta um aumento de sua prevalência e incidência com a idade.

No entanto, a osteoartrose não é uma doença somente de pessoas idosas, podendo acometer também indivíduos jovens. De 3% a 5% da população entre 35 e 54 anos apresenta sinais radiográficos de osteoartrose do joelho, sendo que a maioria dos casos está relacionada com lesões prévias da articulação. Outros fatores, como obesidade, mal alinhamento dos membros inferiores e genética, também podem predispor ao desenvolvimento precoce da doença.

A radiografia convencional é o método de imagem mais simples e barato para avaliação da osteoartrose do joelho. Esse exame permite a visualização direta das características ósseas da articulação, incluindo osteófitos marginais e cistos subcondrais.

Atualmente, a osteoartrose do joelho não apresenta cura conhecida, sendo o objetivo principal do tratamento a melhora da dor, função e qualidade de vida.

O tratamento não cirúrgico ainda é um desafio para os médicos e é baseado em fisioterapia, perda de peso, uso de anti-inflamatórios não esteroides (Aine), medicamentos condroprotetores e injeção intra-articular de corticoide ou ácido hialurônico.

As modalidades de tratamento cirúrgico envolvem a realização de osteotomias proximais da tíbia e distais do fêmur, artroplastias parciais e totais do joelho e artroscopias para lavagem e desbridamento articular.

Por esses motivos vale a pena cuidar de seus joelhos desde cedo, evitando a obesidade, realizando atividades físicas moderadas e mantendo uma dieta saudável.

Sobre o Dr. Gustavo Arliani

Doutor Gustavo Arliani é ortopedista especialista em traumatologia formado pela Universidade Federal de São Paulo. É um dos autores do livro “Classificação em Ortopedia e Traumatologia”, juntamente com Doutor Moisés Cohen e Diego Astur. Gustavo é um dos dez mais bem colocados na prova para o título de especialista em Ortopedia e Traumatologia pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT. [email protected] / drgustavoarliani.com.br

Deixe seu comentário


Enviando esse comentário estou ciente da política de privacidade deste SITE JORNALÍSTICO.