São Paulo - região metropolitana
BUSCA
DE EVENTOS
BUSCA DE EVENTOS

Organizadores propõem que corridas tenham menos de um terço dos atletas

Por Andrei Spinassé, editor do Esportividade

Run The Bridge de 2020 (Flávio Damião e Vanessa Sallesaro/Iguana Sports)

A proposta atual dos organizadores de corridas de rua para a retomada das provas na cidade de São Paulo prevê que, em um primeiro momento, os eventos possam receber somente 30% dos corredores que receberiam antes da pandemia de covid-19; em um segundo, 60%. A prefeitura ainda não ratificou o protocolo sanitário do setor.

Isso quer dizer que uma corrida como a Run The Bridge, da Iguana Sports, cujo alvará de 2020 permitia uma lotação máxima de 3 mil pessoas, só poderia ocorrer com até 900 atletas.

A informação foi dada por Paulo Carelli, diretor da empresa e presidente da Abraceo, associação dos organizadores surgida após a deflagração da pandemia do novo coronavírus, durante o programa “Fôlego”, da Rádio Bandeirantes, no domingo passado, 11 de outubro.

A validação do protocolo sanitário proposto está prevista para 25 de outubro, quando 150 convidados participarão – usando máscara – de uma prova de cerca de 5 km no sambódromo do Anhembi, na zona norte, a ser acompanhada de perto por uma equipe da Covisa, a Coordenadoria de Vigilância em Saúde municipal, para que, em seguida, um documento com as novas regras possa ser assinado pela prefeitura e por representantes do setor.

Negociar com o poder público isenção ou redução de taxas é o passo seguinte dos organizadores, já que esse baixo limite de atletas inviabiliza economicamente muitas das corridas da cidade.

Eventos como convenções, seminários, workshops, palestras e feiras, por exemplo, serão retomados na capital paulista com limite de 600 pessoas, mas autorização especial pode elevá-lo para 2 mil. É difícil, então, que uma corrida para mais de 2 mil atletas seja autorizada pela prefeitura durante a fase Verde do Plano São Paulo.

Deixe seu comentário