São Paulo - região metropolitana
BUSCA
DE EVENTOS
BUSCA DE EVENTOS
Corrida de rua 07/05/2020

Quando voltar, corrida estará diferente e seguirá protocolo; saiba o que muda

Por Andrei Spinassé, editor do Esportividade

Corredor de máscara (ResproPolska/Pixabay)

Opinião em vídeo (observação feita às 10h18 do dia 14 de maio): Corridas ficarão mais ‘chatas’, mas voltarão a gerar empregos.

O formato dos eventos de corrida de rua vigente até o início de março de 2020 estará radicalmente modificado quando do retorno das provas pedestres, o que ainda não se sabe quando vai acontecer. Organizadores se uniram e criaram um documento a ser apresentado ao poder público e a federações com o que eles entendem ser preciso para a modalidade retornar com bem menos chance de proliferação do novo coronavírus, que causa a covid-19.

Como ainda não existe uma associação brasileira, que demoraria um pouco mais a ser constituída, formou-se uma comissão nacional a partir de lideranças regionais. A primeira pauta da comissão foi a criação de um protocolo específico do setor. “O legal é que, apesar das diferenças, surgiu uma sinergia”, disse Paulo Carelli, da Iguana Sports, em “live” promovida pelo Ticket Agora.

Marcos Pinheiro, da curitibana Sportion, nega que se trate de uma pressão para um retorno imediato dos eventos. “Estamos dando um primeiro passo. É melhor que a gente se antecipe do que chegue atrasado”, afirmou.

“Isso é só o começo. Decidimos nos unir e iniciar esse protocolo preliminar, que é um pouco genérico, abrangendo todas as frentes.”

O diretor da Iguana já enviou o documento, avalizado por médicos, para a Prefeitura de São Paulo. Quando o poder público considerar o retorno dos eventos, já vai ter em mãos um esboço de um formato mais seguro, que se adapta a provas de vários tamanhos, podendo exigir alterações, mas já tendo um “norte”. A Federação Paulista de Atletismo apoia a iniciativa.

“Estamos nos antecipando para quando forem autorizados os eventos”, declarou James Júnior, da To Goal Sports, de Manaus, segundo o qual o momento da reabertura dependerá de decisões de cada governo estadual ou municipal e não será nacional.

No entanto, assim que surgir uma oportunidade, um evento-teste, para um público pequeno e em cidade ainda indefinida, será promovido e colocará à prova o documento elaborado. Conheça um pouco dele agora.

Como, segundo a comissão, devem ser os eventos no “novo normal”

O número máximo de participantes será aquele que não gere aglomerações. Inicialmente, provas curtas serão priorizadas. Durante o processo de inscrição, os atletas terão de responder a questões sobre sua saúde. “Caso o participante apresente alguma contraindicação e/ou não aceite os termos de consentimento, não será autorizado a se inscrever.”

As empresas organizadoras terão um papel informativo antes do evento, “disseminando recomendações para diminuir riscos de transmissão de doenças infectocontagiosas”.

Retirada de kits em loja dentro de shopping center? Por enquanto, não mais. A ampliação do serviço de entrega em domicílio é sugerida; se não for possível, será com horário marcado ou em “sistema drive-thru” com horário estendido.

“Como uma forma de instruir e fornecer condições mínimas, o kit poderá conter frasco de álcool em gel, máscara e materiais educativos.”

No dia da corrida, em que não haverá espectadores, os participantes deverão usar máscaras nas áreas comuns, isto é, “arena”, largada e chegada. Será medida por infravermelho a temperatura dos corredores, e os que estiverem com febre serão encaminhados ao atendimento médico.

Na “arena”, os atletas terão de manter uma distância segura, de 1,5 a 2 metros, entre si, inclusive na fila de espera do guarda-volumes. Marcações no chão ajudarão os corredores a ficar distantes uns dos outros.

Os banheiros químicos precisarão ser higienizados constantemente, e pias para lavagem das mãos terão de estar disponíveis.

Não serão encontradas as tendas de massagem, de patrocinadores e assessorias. A formação de grupos para alongamento, por exemplo, não será permitida.

Serão chamados os pelotões de largada: para provas com até 1.500 pessoas, por exemplo, haverá ondas de até 150 atletas a cada dois minutos. Quando os corredores, ainda de máscara, se dirigirem às raias, deverão se higienizar por meio de túnel de higienização ou borrifadores manuais. Será montado um pórtico de largada e, em outro ponto, um de chegada.

Sugerem-se percursos sem muitas curvas para uma melhor fluidez da prova. Ao longo do trajeto, será fornecido material para higienização. Os atletas pegarão água com a ajuda de uma equipe treinada a fim de que não encostem em outros copos.

Ao fim da prova, serão entregues máscara e lenço com álcool. Os atletas serão estimulados a se deslocar para locais mais amplos. Tudo o que possa gerar aglomeração, como premiação e show pós-prova, será descartado.

Leia também:
Perda no esporte participativo chega a R$ 100 milhões por causa de pandemia
Corredores aceitariam perder prova com inscrição feita por receio da covid-19

Comentários


  • Sem vacina, tô fora!
    Banheiro quimico,gente atras,na frente dos lados, água que neguinho pega e troca,suor,voce acaba se limpando, principalmente sobre os olhos e a mascara n95 pra correr não dá!
    As caseiras e cirúrgicas não são tão seguras.
    Que venha a vacina!

  • Banheiro quimico,gente atras,na frente dos lados, água que neguinho pega e troca,suor,voce acaba se limpando, principalmente sobre os olhos e a mascara n95 pra correr não dá!
    As caseiras e cirúrgicas não são tão seguras.
    Que venha a vacina!

  • Fernando Cezar Ribeiro disse:

    É melhor não ter nenhuma prova!!

  • Wanderley Gonçalves disse:

    Tenho 69 anos minha vida mudou depois que comecei com as corridas .Vocês têm que olhar com mais carinho por esses atletas.entrega do kit na residência , acho que deveria se entregue faz tempo para nós OBRIGADO.

  • Corredor chato disse:

    Não acredito que volte a ter corridas antes da vacinação em massa, o que significa antes de 2022. Qualquer coisa antes disso é arriscar a vida das pessoas.

  • Pra mim esse protocolo é uma balela.
    Entendo o desespero dos organizadores mas sabe-se que 1,5 m de distância é o distanciamento estático. Correndo, como atestou a universidade de Roterdã, a distância é de 20 metros.

    Outro ponto, é impossível manter a distância na hora da largada. Os organizadores sabem disso.

    De certa forma se algum governante aceitar será o “você finge que faz e eu finjo que acredito”.

    E aí o dinheiro na mão de alguém faz a aprovação acontecer.

  • Victor Hugo pelizari eiras disse:

    Vcs estão loucos por grana vc acham que estão onde aqui e Brazil vai lá nos hospitais pra ver

  • Sejamos otimistas,um dia essa pandemia vai acabar e voltaremos a nossa vida normal.Alegria, alegria, sorria.Parem com essa paranóia.

  • Paulo Geraldo da Silva disse:

    Um absurdo correr com mascaras se tem organizadores com essa ideia e porque eles nunca correram na vida eles nem sabem o que e correr com nariz e boca tampado E durante a corrida ninguem vai manter distancia 1,5m porque o objetivo dos corredores e baixar o seu tempo Essa mascara e para evitar saliva alheia Nao protege contra nenhum Virus

  • Na qualidade de corredor amador, espero que organizadores e atletas, encontrem uma solução viável para todos, pois sabemos que a prática de esportes é muito importante para tudo e para todos.

  • Manoel disse:

    Queremos mudança mesmo e queremos mas nas premiações

  • BIRA Conrado disse:

    Amigos corredores,

    enquanto existir a possibilidade do vírus, não acreditem que possa haver corridas com alguma segurança de que alquem não está contaminado, sou um apaixonado por corridas, organizador, participantes em mais de 40 maratonas em volta do mundo. E minha opinião é que posso continuar correndo e treinando até que está pandemia acabe e exista uma vacina para tal.

  • Nilzete Araujo Pena Nunes disse:

    Se a proposta é correr com máscara será preciso avaliar as consequências disso a nível de ventilação pulmonar em relação as trocas de O2 e CO2. A minha impressão é que a máscara por si só também é uma fator limitante para uma boa troca tão necessária durante uma corrida !
    É preciso checar se há algum estudos sobre isso!

  • ALEKSANDRO SANTOS SOUSA disse:

    Os organizadores precisam manter suas famílias, de preferência vivas, e livre de contaminação viral, então, a princípio procurem outro meio de ganhar dinheiro, não é momento nem de pensar em corrida de rua, não existe forma segura, sem condições. Esqueçam, vamos nos livrar seguindo os protocolos, voltaremos, melhores e mais fortes, sem covid e sem muitas outras doenças, infectocontagiosas.

  • MAURO BATISTA ALVES disse:

    Nossa com toda está mudança, o valor da inscrição deverá subir muito.

  • Maria Gilda disse:

    Acredito que novas atitudes devem sim, serem exigidas durante uma corrida de rua ou outras atividades desportivas. Pois até chegar a vacina, ninguém estará seguro. Triste. Inventem uma máscara para usar durante as corridas.

  • Alberes Silva disse:

    Vocês recomendam algum tipo de máscara específico para o praticante de atletismo/corrida?

  • Vocês indicam algum trabalho oi específico de mascara para corredores?

  • Sileide Palomo disse:

    Correr de máscara será impossível.

  • Gilvan disse:

    Na retirada de kits os organizadores podem fazer parceria com empresas especializadas e o atleta recebe em casa.
    Gilvan
    Trevos retirada de kits de corrida

  • Gilvan disse:

    Na retirada de kits os organizadores podem fazer parceria com empresas especializadas e o atleta recebe em casa.
    Gilvan
    Trevos

  • Gilvan disse:

    Os organizadores pode m fazer parcerias com empresas quem retiram kits e levam na casa da pessoa ou no dia do evento.
    https://trevosretiradadekits.com.br/

  • Paula de Tarso Souza Rodrigues disse:

    Uso de máscara durante corrida é de uma falta de informação doentia. No correr se precisa de oxigênio e não de co2. E de qq forma não é garantida a proteção

  • Anderson Santos disse:

    Não vi nada demais no chamado “protocolo” para retomada dos eventos.
    Estas medidas serão mais que necessárias em qualquer tipo de local e ação que exista um contigente de pessoas.
    Inovação nenhuma por parte de quem representa o maior segmento de eventos esportivos amadores.
    O fato aqui é, o evento precisa ser atraente, criativo e significativo para além das medidas de segurança exigidas porque se não for, quem até hoje estava visando grande$ número$ de inscriçõe$ vai ficar chupando o dedo.

  • Deixe seu comentário