São Paulo - região metropolitana
BUSCA
DE EVENTOS
BUSCA DE EVENTOS

Empresas propõem projeto de até R$ 540 mi para o estádio do Pacaembu

Por Andrei Spinassé, editor do Esportividade
Estádio do Pacaembu (Google Street View)

Estádio do Pacaembu (Google Street View)

A Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação de São Paulo (Seme) tornou públicos os detalhes dos estudos de modernização e gestão do estádio do Pacaembu. De acordo com ela, dois dos três projetos enviados a ela, o de Fernandes Arquitetos Associados (e consorciados) e o da Associação Casa Azul, já se encontram sob a análise do Conpresp – o Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo. Confira agora o que mais chama atenção nos dois estudos para o Paulo Machado de Carvalho.

Fernandes Arquitetos

Estádio do Pacaembu (Cesar Ogata/Secom)

Estádio do Pacaembu (Cesar Ogata/Secom)

Ideia de ambiência maior, aproximando as arquibancadas do gramado, inclusive as últimas fileiras. No projeto, a primeira fileira está a 5 metros do gramado. O centro do campo foi empurrado em direção ao clube, sem que o gramado seja rebaixado. Há mais espaço do que hoje em relação ao Tobogã para o ginásio.

O estacionamento está abaixo da praça Charles Miller, entre o piscinão e o estádio. São três subsolos para que haja as 2 mil vagas pedidas pelo edital. Não vê espaço em outros lugares, como abaixo das arquibancadas. Sugere que a licitação de estacionamento e de urbanização da Charles Miller seja feita separadamente, para outro investidor.

A cobertura fecha totalmente (retrátil), com ruído à vizinhança de até 50 decibéis (estimado em estudo similar para outro estádio).

Custo sem conjunto esportivo: R$ 540 milhões (estádio: R$ 441 milhões). Projeto de concessão “pura” por 35 anos, sem contrapartida do município.

Capacidade: 41 mil lugares, sendo 50% na anel inferior, 25% no anel superior e 25% distribuído pelo restante do estádio.

Casa Azul

Estádio do Pacaembu (Cesar Cardoso)

Estádio do Pacaembu (Cesar Cardoso)

Mauro Munhoz, arquiteto do Museu do Futebol, também no Pacaembu, foi quem fez a apresentação. A ideia da cobertura é de uma estrutura pênsil para escoamento da água e controle acústico na parte retrátil. Há a possibilidade de fechamento completo, o que atende à limitação de ruído. Ele entende que os cabeamentos não afetam a ambiência tombada pelo patrimônio histórico.

Sugere um restauro básico do conjunto esportivo, “que já é muito bom”, com a cobertura da piscina, estimado em pouco mais de R$ 31 milhões.

O primeiro projeto, segundo Mauro, para o Pacaembu só previa as arquibancadas nas laterais do campo. Depois de construído, houve alteração do projeto para construção da arquibancada onde fica a praça Charles Miller, que é exatamente o que terá de ser feito agora do outro lado.

Para completar os 40 mil lugares, rebaixa o campo em 3,20 metros e ganha 6 mil lugares. Ou então a Casa Azul defende a redução da exigência dos 40 mil lugares, ainda mais considerando a existência do Allianz Parque, da Arena Corinthians e do Morumbi. Afirma que o número ideal para o Pacaembu é de 32 mil lugares.

Proposta para estacionamento: propõe a mesma solução do Hospital das Clínicas. Nas duas ruas laterais faz um estacionamento subterrâneo acompanhando a rua para as 2 mil vagas previstas no chamamento. Tem uma importância grande como receita para a sustentabilidade do negócio.

Prevê custo total de R$ 387 milhões, equiparação de investimento em 24 anos e taxa interno de retorno de 2,41%. Sugere como alavanca para subir essa TIR, além de não rebaixar o campo (não chegando aos 40 mil lugares), a não execução da cobertura. Afirma que o cálculo foi muito conservador, sem incluir, por exemplo, receita de naming rights, havendo uma boa margem para aumentar as receitas. Munhoz sugere também a possibilidade de exploração do conjunto esportivo em horários não utilizados pela prefeitura. Propõe a concessão de direito real de uso por 30 anos.

Opinião do Esportividade

Dificilmente a Prefeitura de São Paulo vai conseguir transformar totalmente seus planos para o estádio do Pacaembu, que em 2016 completará 76 anos, em realidade. Duas exigências iniciais são particularmente onerosas: a de 2 mil vagas de estacionamento e a da cobertura.

A complexidade da execução do estacionamento é o que mais chama atenção: em ambos os estudos ele ficaria no subterrâneo. Essa obra elevaria (e muito) os custos para o concessionário, mas, como disse a Casa Azul, “tem uma importância grande como receita para a sustentabilidade do negócio”.

O momento econômico do Brasil não é positivo, e os três grandes times paulistanos de futebol já têm seus próprios estádios. Considerando isso, a secretaria vai ter de repensar o conteúdo de um possível edital de licitação.

E, mesmo que descarte o que não foi considerado viável pelas empresas que elaboraram estudos, há considerável risco de não aparecerem interessados em executar as obras e obter a concessão do estádio municipal.

É válido lembrar que a SPTuris deve lançar em breve o editar do futuro ginásio do Anhembi, que é muito mais interessante para empresas que queiram explorar esporte e entretenimento na cidade de São Paulo.

No cenário atual, faz mais sentido uma parceria da prefeitura com uma confederação como a CBRu, de rugby, modalidade que levou em dezembro mais de 10 mil espectadores ao Pacaembu e que tem patrocinadores fortes, como Bradesco, Unilever e Outback. Poderiam ajudar a pagar boa parte dos R$ 9 milhões anuais gastos pela Seme com o Paulo Machado de Carvalho.

O ano de 2016 será de eleições municipais, e em 2017 o novo prefeito poderá ter uma visão completamente distinta do atual a respeito do Pacaembu. Se a gestão Haddad quiser colocar em prática seus planos, precisará se apressar, mas pensando muito bem nos próximos passos.

Leia também:
Pacaembu e rugby encontram-se quando um mais precisa do outro
Presidente da SPTuris diz que plano do ginásio do Anhembi avança

Deixe seu comentário


Enviando esse comentário estou ciente da política de privacidade deste SITE JORNALÍSTICO.