São Paulo - região metropolitana
BUSCA
DE EVENTOS
BUSCA DE EVENTOS
Vôlei 25/03/2015

Torcida do Pinheiros deixa de ser ‘boazinha’ e pressiona time do Osasco

Por Andrei Spinassé, editor do Esportividade
Jogadoras do Pinheiros vibram com ponto (EC Pinheiros/Divulgação)

Jogadoras do Pinheiros vibram com ponto (EC Pinheiros/Divulgação)

Anteriormente conhecida por ser mais calada que animada, a torcida do Pinheiros mostrou em 24 de março outra cara durante a decisiva partida contra o Molico/Osasco, a qual foi a última da temporada do vôlei adulto pinheirense. Em alguns momentos, a torcida do clube paulistano parecia a do osasquense, pressionando o adversário. Gritou “saca na Samara” no primeiro set e foi bem-sucedida: logo a ex-ponteira pinheirense foi substituída por Gabi no Molico. Foi então que o grito mudou para “saca na Gabi”. O ápice do ânimo foi quando a equipe da capital passou à frente no quinto set. E durou pouco a vibração, porém, pois logo a de Osasco fechou o jogo e a série de quartas de final da Superliga feminina 2014/2015.

A torcida osasquense esteve presente em bom número no ginásio Henrique Villaboim e protagonizou um momento de muita descontração: gritou “saca no juiz” quando contestou uma marcação da arbitragem. Curiosamente, eram os fãs de Osasco que cantavam “saca na Samara” na temporada anterior, quando a atleta jogava no time de São Paulo.

O treinador do Pinheiros, Wagão, tem a sensação de que o fato de o time do Esporte Clube Pinheiros ser formado majoritariamente por jovens e vibrantes jogadoras influencia os torcedores no ginásio. “Essa alegria contagia a torcida. Não tínhamos uma torcida presente e atuante como temos hoje. Eu fico feliz, mas não surpreso, porque essa torcida já atua conosco aqui há três anos. A impressão é que ela tem aumentado com o passar dos anos. Espero que eles continuem pinheirenses”, afirmou o treinador, no cargo desde a temporada 2011/2012.

Embora não tenha passado pelo Molico/Osasco, o Pinheiros foi uma equipe em ascensão nesta temporada. “O balanço é muito positivo: fomos campeões de duas [Copa São Paulo e Copa Banco do Brasil, primeiro título nacional de vôlei adulto do clube] das quatro competições de que participamos”, afirmou o técnico, segundo o qual as alternâncias durante Pinheiros x Osasco estiveram relacionadas ao saque.

Quem brilhou foi a central osasquense Thaisa, bicampeão olímpica e ainda titular da seleção brasileira, que marcou 21 pontos. “Em alguns momentos realmente não conseguimos dificultar o trabalho dela”, disse Wagão. “Tudo isso é aprendizado para as meninas. Quem jogou marcando a Thaisa na maior parte do tempo foi a [jovem] Fran.” O técnico, que afirmou não ter a intenção de deixar o comando pinheirense por se identificar bastante com o clube (cujo investimento no vôlei adulto, que está entre R$ 2 milhões e R$ 2,5 milhões por temporada, é em grande parte independente de patrocinadores), ainda ressaltou o conjunto pinheirense e a força individual osasquense e lamentou as oportunidades perdidas.

Rosamaria (EC Pinheiros)

Rosamaria (EC Pinheiros)

Uma das grandes vitórias do Pinheiros na temporada foi ter dado espaço para Rosamaria ser titular. A catarinense, que está prestes a completar 21 anos, é a oposto mais promissora da nova geração brasileira. A reserva do extinto Vôlei Amil na temporada anterior assumiu uma maior responsabilidade no tradicional clube paulistano. “A experiência no Pinheiros foi essencial para minha carreira”, declarou.

“Tudo é aprendizado. Sabíamos que poderíamos ter ido um pouco mais longe. Esse jogo foi muito bom, mostramos o que podemos jogar, mas faltou um pouco na primeira partida, na qual vacilamos [3 sets a 0 para o Osasco]”, afirmou a atacante.

Questionada sobre o novo status nesta temporada, Rosamaria disse ter se sentido em evolução ao longo dos meses. “Muda toda uma cabeça estar dentro de quadra o tempo inteiro, ter uma responsabilidade. É isso que faz uma jogadora crescer. Mas sou supernova, fiz um primeiro turno superlegal. No segundo, sofri um pouco com lesão e não consegui voltar 100%. Isso faz parte do esporte”, disse a atleta, que ainda sente incômodo no ombro direito por ter tido e uma contratura muscular no trapézio. “Mas fiquei feliz por ter terminado a temporada jogando, talvez não no máximo que eu poderia dar, mas no momento eu dei o que eu conseguia.” Por causa da lesão ela não participou da semifinal da Copa Banco do Brasil contra o Rexona-Ades e desfalcou a equipe em jogos da Superliga.

Rosamaria deve ser convocada por José Roberto Guimarães para o Grand Prix e para os Jogos Pan-Americanos, pois Tandara está grávida e Sheilla deve ser poupada. Abrem-se, assim, vagas. A jogadora do Pinheiros prefere manter-se sem ilusões: “Meu foco principal é a seleção sub-23. Existem desfalques na seleção, Sheilla, Tandara, mas o Brasil tem um leque muito grande de jogadoras. Ao mesmo tempo que espero, procuro não me iludir muito. Se o que eu jogo hoje for suficiente, a comissão achar que é válido, ficarei superfeliz. Se surgir um espaço na adulta tentarei agarrá-lo, com certeza”.

Se o favoritismo do Sesi-SP se confirmar contra o Brasília Vôlei, Sesi-SP e Molico/Osasco farão mais um clássico paulista nas semifinais da Superliga.

Deixe seu comentário


Enviando esse comentário estou ciente da política de privacidade deste SITE JORNALÍSTICO.